Crenças limitantes: como distinguir o que é imaginário do que é real?

Que forças internas são essas que bloqueiam e impedem a concretização mesmo de pequenos passos? O que está por trás desse pensamento limitante?


A maioria das pessoas possui uma dificuldade imensa em fazer mudanças e mais ainda em se conscientizar sobre o que de fato as impede de mudar o precisam e continuam sem adotar uma atitude prática para fazê-lo.


Um dos mecanismos mais frequentes é surgir o pensamento de que você só estará pronto para assumir um desafio quando tiver concluído algo anteriormente - ou no tempo apropriado. Por exemplo, antes de almejar um determinado cargo na empresa eu preciso primeiro estudar, fazer algum curso específico, ter experiência e somente depois disso poderei de fato me tornar apto à função. O que acaba tornando o objetivo impossível de atingir ou muito distante da realidade. Esse pensamento exemplifica uma crença limitante recorrente.


Afinal, o que disso é verdade? O que aconteceria se você fizesse diferente?


De acordo com o estudo de Walter Cannon, fisiologista americano do século passado que investigou os mecanismos da homeostase (que literalmente significa manter-se estável) a condição de relativa estabilidade da qual o organismo necessita para realizar suas funções adequadamente para o equilíbrio do corpo, quando notada no campo psicológico, mostra que os elementos do organismo encontram meios para manter o estado de harmonia próprio, isto é, para se acomodar e evitar instabilidades internas. De maneira resumida, a mente age de todas as formas para proteger e manter o padrão vigente em equilíbrio. São forças internas que resistem ao processo de mudança.


Você é capaz de admitir para si que ainda resiste em fazer algum tipo de mudança?

Nesse processo fica claro que é preciso superar esse padrão de pensamento que nos limita ao desenvolvimento para decisivamente progredir. O primeiro passo então é identificar que isso existe em você e que há uma voz interior que insiste em dizer que você não está preparado o suficiente. Em seguida, é analisar o que disso é verdade, separando então o que é imaginário é do que é real.


Um outro exemplo que ilustra o momento de análise desse feedback positivo ou negativo é quando eu não sei falar inglês, mas gostaria de me candidatar à uma vaga que atuará com equipes internacionais. Isso é uma verdade, um fato real. O idioma então é uma questão real a ser superada. No entanto, a sabotagem acontece quando eu deixo de ingressar no curso para aprender. A partir desse momento eu estou me sabotando porque na verdade eu não quero assumir uma posição que me colocará em exposição ou que me obrigará a mudar de país. No fundo isso me traz vozes internas de medo e insegurança. Não me sinto capaz. Não vou conseguir desempenhar na nova posição e adiar a aprendizagem do idioma e só a ponta do iceberg.


Ocorre não só uma estagnação, mas também uma procrastinação. No papel de Coach, você deve estimular o cliente a ter essas percepções a ponto de que ele tenha consciência para distinguir o que o bloqueia nessa ocasião. Avalie o que o tempo de estagnação está trazendo de positivo para o cliente: a falta de atitude está o beneficiando ou atrapalhando?


Para Nancy Kline, escritora e palestrante existem perguntas incisivas “Incisive Questions” que colaboram neste aprendizado. A pergunta direcionada para o pensamento permite que o próprio bloqueio seja questionado para transformá-lo em opções libertadoras.


O essencial é lembrar das declarações de autossabotagem limitantes como:


Eu sou não sou capaz de fazer muito;

Eu não sou bom... outras pessoas são mais espertas;

Uma pessoa como eu nunca poderá ser (melhor, mais forte, mais legal).


Refletindo nas questões, isso me permite discutir e alertar os clientes para o seu comportamento típico de autossabotagem. Todos nós temos essas vozes interiores de bloqueio; elas fazem parte do desenvolvimento e são uma parte inalienável de quem somos. O desafio, portanto, é desmascará-las, nomeá-las e gerenciá-las, principalmente com humor. Dessa forma, esses pensamentos se tornam menos poderosos.


Como você lida com as suas crenças limitantes? Você é capaz de reconhecer que precisa superar alguma questão que te impede de crescer?


Se você deseja saber mais sobre o assunto leia no meu blog outros artigos sobre o tema. Se deseja ter apoio de coach profissional para se desenvolver e amadurecer neste tema, entre em contato:

jorge.dornelles.oliveira@ggnconsultoria.com.br Whats app (11) 96396.9951



¹ https://www.jorgedornellesdeoliveira.com/post/como-lidar-com-as-transi%C3%A7%C3%B5es-em-processos-de-coaching


² https://www.jorgedornellesdeoliveira.com/post/o-medo-de-ser-muito-capaz-e-o-complexo-de-jonas


³ https://www.jorgedornellesdeoliveira.com/post/a-mentalidade-cartesiana-da-solu%C3%A7%C3%A3o-de-problemas-e-a-realidade-hol%C3%ADstica-dos-processos



Jorge Dornelles de Oliveira

Abril de 2021


#coach #coaching #executivecoach #carreira #mindset #crencaslimitantes #autossabotagem #homeostase #incisivequestions #mudanca #desenvolvimento #autodesenvolvimento #pensamentolimitante #executivo #negocios #comportamento #feedback

30 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo