Como o narcisismo do CEO influência nos processos de liderança?

::mapeando a cadeira do CEO::


Você é capaz de perceber quando o narcisismo se apresenta como uma qualidade e quando ele é notado como um defeito em um líder?


A influência do narcisismo na forma na atuação do CEO pode gerar resultados favoráveis ou desfavoráveis. Mas nem sempre isso é percebido por todos da mesma maneira na organização. Entretanto, as consequências que a autoadmiração produz na maioria das vezes são avaliadas como negativas. Conhecer este comportamento pode ser uma maneira inteligente de reavaliar a sua forma de atuação e o ajuda a transformar o mindset para lidar melhor com as extremidades do que conhecemos sobre o narcisismo.


De modo resumido, posso dizer que a compreensão sobre o narcisismo foi modificada ao longo da história e isso alterou também o entendimento acerca deste mito. A palavra tem origem no grego narke e significa entorpecido. O personagem mítico simbolizava a vaidade e a insensibilidade, visto que ele era emocionalmente entorpecido às solicitações daqueles que se apaixonaram por sua beleza. Porém, Narciso não significa apenas a negatividade. Ele também expressa o drama da individualidade e a profundidade de um indivíduo que toma consciência de si mesmo, em si mesmo e perante a si mesmo. É justamente esse ponto que eu enfatizo para fazer todas as analogias com os CEOs e os comportamentos que eles expressam. Ou seja, de que forma são percebidos, o que eles produzem de positivo e negativo a partir desta conduta e que consciência possuem de si mesmo?



Que características da personalidade você exprime na sua forma de comandar?


O ímpeto narcisista impulsionou diversos líderes eficazes, poderosos e carismáticos ao longo da história. A grande maioria deles apresenta algum aspecto narcisista na sua personalidade. De modo geral, sem essa medida do narcisismo, seríamos monótonos, mansos e sujeitos aos caprichos dos outros ao extremo. Isso fortalece o indício de que grandes executivos provavelmente precisam de algumas das qualidades de um narcisista para comandarem.


Destaco, entre outras características, a autoconfiança e a audácia para assumir grandes riscos e conduzir a organização para situações desafiadoras e posições mais elevadas. Lideranças narcisistas também costumam apresentar grande carisma e possuem uma energia incomum, algumas vezes disponíveis para uma visão estratégica e outras para a autopromoção. Algumas coisas não seriam construídas se não existissem líderes narcisistas. Consegue imaginar uma ideia nova, uma invenção ou um estimado CEO amedrontado?


A outra face desta moeda é que o líder narcisista tende a fomentar a inveja, costumar não ter empatia e qualquer interesse quando envolve o outro. Os aspectos mais desfavoráveis dessa sua atitude são a necessidade de reconhecimento constante, a desvalorização das pessoas e o de ser um arrogante costumaz. Seria difícil para você pensar em um CEO com essas características?


Ao agrupar as informações e ponderarmos os extremos, é possível reavaliar o entendimento sobre o que é narcisismo e que papel ele pode ter. Primeiramente lembro o fato de que o narcisismo descomedido é um transtorno psicológico que afeta apenas 1% da população mundial. Em seguida destaco que o narcisismo em certo grau pode ser uma atitude saudável se orientado e desenvolvido para despertar essa consciência de si. Socialmente falando, essa autoadmiração e autoconfiança podem contribuir positivamente no direcionamento de um executivo que almeja grandes objetivos.


De que maneira o coacing pode ser uma ferramenta para desenvolver as novas atitudes no CEO?


O coach não está imune a ter um comportamento narcisista e por isso mesmo é preciso autoavaliar quanto o seu próprio narcisismo reflete durante a sua atuação com o cliente. A abordagem para desenvolver o trabalho com um executivo C-level passa por este filtro inicial. Isso por que líderes narcisistas tendem a desconfiar e a desvalorizar os o que percebem como mentores. O coach precisa se tornar um parceiro confiável para o cliente e isso levará um certo tempo para acontecer. Portanto, a sua tarefa será dupla: apoiar a autopercepção do seu cliente. Para que ele decida se o seu nível de narcisismo é apropriado para sua carreira. (considere cuidadosamente e abra a discussão). Ajude-o a controlar o comportamento narcisista de modo que isso o impulsione e não o arraste para baixo.


Por fim, o coach deve ficar atento aos pensamentos e sentimentos que têm pelo cliente. Sempre pondere sobre a questão: esses sentimentos evoluem estritamente do relacionamento em questão ou eu (como técnico) trouxe alguma bagagem do meu próprio aperfeiçoamento?


  • Falta de empatia;

  • Supervalorização das próprias opiniões;

  • Sensação de serem especiais e únicos;

  • Hipersensibilidade a críticas;

  • Exagero nas conquistas e talentos;

  • Sentimento de inveja ou de sentir-se invejado muito constantemente;

X

  • Intensa auto concentração;

  • Busca incansável pelas próprias necessidades;

  • Autoestima (aparência) e insegurança;;

  • Dependência de afeto e amor do outro (para manter o sentido de si mesmo) e, ao mesmo tempo, não se preocupa com a necessidade do outro;

  • Sensação de direito e exigência de admiração constante e excessiva;

  • Exagero em conquistas e talentos.


Você tem liderado como um CEO narcisista no sentido positivo ou no sentido negativo das características que este comportamento apresenta?


Se deseja ter apoio de profissional ou supervisão para se desenvolver e amadurecer neste tema, entre em contato: jorge.dornelles.oliveira@ggnconsultoria.com.br Whats App (11) 96396.9951


Leia outros artigos relacionados:



Crenças Limitantes: como distinguir o que é real do que é imaginário

https://www.jorgedornellesdeoliveira.com/post/cren%C3%A7as-limitantes-como-distinguir-o-que-%C3%A9-imagin%C3%A1rio-do-que-%C3%A9-real


Entender ou não entender o cliente?

https://www.jorgedornellesdeoliveira.com/post/2019/07/21/entender-ou-n%C3%A3o-entender-o-cliente


Jorge Dornelles de Oliveira

Novembro de 2021

33 visualizações0 comentário