E agora José, a luz apagou

 

E agora, José?
A festa acabou,
A luz apagou,
O povo sumiu,
A noite esfriou,
E agora, José?
E agora, você?

( Carlos Drummond de Andrade)

 

Enquanto a reunião virtual acontece, o cachorro late, a criança entre na sala com alguma demanda para o adulto, ou acontece qualquer interrupção “caseira”, fundindo os ambientes da casa com o da empresa. São cada vez mais comuns cenas como essa que, ao se repetirem, enriquecem a especulação em torno do AP-DP – Antes da Pandemia, Depois da Pandemia. Terão sido unificados os caminhos da vida pessoal e profissional? Não há mais volta nesse sentido? Terão irremediavelmente caído as máscaras, e em consequência,  as personas que usamos de acordo com cada habitat?

 

Como seremos quando tudo isso acabar?

 

Os momentos prosaicos que têm sido flagrados pelas câmeras nada mais são do que a continuidade de um roteiro que há algum tempo vem sendo rodado nos ambientes corporativos.  Há tempos ensaiamos encurtar a distância que nos separa de nossas casas, experimentando o homeoffice, o trabalho 24hX7  -- que invade nossos lares, sem escolha --, ou exibindo, propositadamente, nossas vidas pessoais em mídias que não distinguem nossas personas. Temos caminhado nesse sentido.

 

Agora, no entanto, caiu o pano. Ao trabalhar de casa forçosamente, estamos desembocando nesse espaço onde as fronteiras são tênues e os limites ainda não conhecidos completamente. Há quem não tenha problemas em escancarar seu dia a dia, sentindo-se à vontade para abrir suas portas e fazer a reunião no quarto do filho, por exemplo, mas também existem aqueles que alegam as mais variadas desculpas para não abrir o vídeo na hora da reunião, postergando essa junção de cenários a qualquer custo.

 

Independente do percurso que temos cumprido ou aonde vamos chegar, o experimento atual, vem nos deixando desnudos (inteiros?), como se daqui para frente só fosse possível esse caminho. O fato é que uma experiência longa como essa que temos vivenciado, tende a nos transformar inteiramente, isso sim. Como será então quando voltarmos à ‘normalidade’?

 

Sairemos fortalecidos sem necessidade de fronteiras, mais autônomos? Daremos ao trabalho um outro valor, ou a casa voltará a ser um ambiente prestigiado como já foi antes ?

 

E como os CEOs e os gestores vão lidar com isso? Se sentirão diferentes perante suas equipes? Terão descoberto mais a respeito de seus colaboradores ? E o que isso vai mudar na prática? E os profissionais, como se sentirão?

 

E agora José?

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Destacados

"A Banalização do Coaching"

05.04.2018

1/2
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Procure por Tags
Please reload

Siga
  • Google+ Long Shadow
  • Facebook Long Shadow
  • LinkedIn Long Shadow
  • Twitter Long Shadow

Entre em Contato

Tel: 011-9639 69951

jorge.dornelles.oliveira@ggnconsultoria.com.br

  • Google+ Long Shadow
  • Facebook Long Shadow
  • LinkedIn Long Shadow
  • Twitter Long Shadow

© 2023 por Sandro Esteves. Orgulhosamente criado com Wix.com