Os cinco estágios da pandemia

 

 

O luto da vida é o que temos vivido em tempos de pandemia. Você se encontra na fase de negação, acha que a vida perdeu o sentido e está meio entorpecido sem saber se vale a pena continuar ou, por que continuar se nada mais será como antes? Em geral, a negação e o isolamento andam juntos --, nesse caso, porém, a negação é o efeito colateral do fato de você ter sido isolado compulsoriamente.

 

Ou já passou dessa etapa e no momento está fulo (não sabe com quem ou com o quê exatamente) mas está com muita raiva, sentimento autorizado e facilmente “reconhecível” mas que esconde muitos outros como a dor e aquela sensação de que esse quadro não vai mudar, é coisa que jamais passará.

 

Isso é o que mais tem me incomodado. A sensação de impotência e necessidade de controle andam me impedindo de ver o cenário como um todo e analisar possibilidades. Aí a raiva brota com força bruta igual a de um hidrante que se rompeu.

 

Se identificou? É isso o que anda sentindo?

 

Se você anda numa luta interna, daquelas que no momento tem vários inimigos mas nenhum com o qual possa se confrontar de verdade, e começa a se culpar por não ter se permitido mais quando ainda era possível – fazendo coisas que sempre imaginou mas postergou constantemente, sabe-se lá porque -, talvez você esteja na barganha. Sabe como é. Se isso, se aquilo, uma infindável lista de se(s).....uma luta inglória que não leva a lugar nenhum.

 

Cheguei perto?

 

Talvez não. Talvez você esteja simplesmente deprimido. O mundo parou e você também; está sem forças, o desânimo te pegou de um jeito nunca dantes imaginado. Tudo é um vazio. E a tristeza nem consegue se aproximar.

 

Qualquer que seja o estagio que você vivencia, eles costumam acontecer num looping que nos deixa tontos, sem nenhuma sequência lógica. No meu caso já fui da negação para a depressão e voltei passando pela raiva para cair de cara na depressão novamente, sem sequer considerar a barganha. Para que, não é mesmo? Negociar comigo mesmo não vai mudar o cenário à minha volta.

 

Nos últimos dias, no entanto, tenho começado a ouvir uma voz bem baixinho que fica repetindo aquele dito super popular e adequado ao momento: aceita que dói menos.

 

Já te aconteceu? Ou você ainda está brigando consigo mesmo e estacionou na negação?

 

Teoricamente é a aceitação que nos fará sobreviver a esse falecimento social que temos sentido de forma tão virulenta (trocadilho que vem a calhar), ao lado da angústia e da ansiedade que o acompanham.

 

Onde você está exatamente, já começou aceitar a realidade e a dar inicio ao seu processo de cura?

 

Preparado para um novo tempo? Ou não conseguiu ainda vislumbrar nada de novo no front?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Destacados

"A Banalização do Coaching"

05.04.2018

1/2
Please reload

Posts Recentes

18.02.2020

Please reload

Procure por Tags
Please reload

Siga
  • Google+ Long Shadow
  • Facebook Long Shadow
  • LinkedIn Long Shadow
  • Twitter Long Shadow

Entre em Contato

Tel: 011-9639 69951

jorge.dornelles.oliveira@ggnconsultoria.com.br

  • Google+ Long Shadow
  • Facebook Long Shadow
  • LinkedIn Long Shadow
  • Twitter Long Shadow

© 2023 por Sandro Esteves. Orgulhosamente criado com Wix.com